Dieta Mental


"Eu sou louco. Eu vejo pessoas que não estão aqui. Eu optei por ignorá-las. É uma dieta mental, não me entregar a certos prazeres!"

Este é um trecho do filme "Uma Mente Brilhante", baseado na vida do matemático John Forbes Nash, que ganhou o Prêmio Nobel por conta de uma teoria que formulou. Ele tinha uma mente extraordinária, mas era esquizofrênico. Em suas alucinações via constantemente três personagens que acreditava serem reais. Só depois percebeu que eles não eram, pois ao longo do tempo permaneciam da mesma forma e idade. Para resgatar a sua vida de volta, ele precisou usar a sua mente para distinguir as alucinações. E não só isso, ele passou a não dar mais poder a elas, mesmo nos momentos que o assediavam.

Gostaria de deixar aqui algumas questões para nossa reflexão: se alguém como Nash pode fazer uma dieta mental, por que nós também não podemos? O que significa ser lúcido ou se manter lúcido? Quais são os nossos personagens internos que nos assombram por meio de pensamentos e emoções negativas? De que maneira eles falam conosco? De que maneira nos assediam? De que maneira roubam nossa energia?

Optar por pensar diferente, de uma maneira mais saudável, requer disciplina. Requer a opção, a escolha, de a cada momento fazer diferente. Requer atenção. Nossa mente pode ser reeducada e treinada. Nosso conteúdos internos podem ser transformados. É só escolher e testar os métodos que existem por aí. Buscar aliados  no caminho!

Boa reflexão!

Juliene Macedo