Alimente seus Deuses e Demônios



O Pensamento ocidental tende a ter uma forma polarizada de resolver problemas. A opinião geral é que temos de "nos livrar" das partes de nós mesmos que não gostamos. O resultado dessa abordagem termina sendo a repressão, e há muitas evidências que sugerem que as emoções reprimidas terminam saindo em outro lugar, por exemplo, na forma da culpa, raiva, medo ou depressão e, finalmente, se ainda não reconhecidas, podem afetar o corpo.

Lama Tsultrim Allione, uma professora do budismo tibetano, percebendo essa dinâmica da mente em polarizar, integrou a sabedoria oriental antiga com a mente ocidental, e desenvolveu um método que consiste em dar forma a essas forças "negativas", voltando-se para elas com uma atitude compassiva, alimentando-as com o que elas realmente precisam, em vez de combatê-las. A verdade é que tais forças “negativas”, que vamos chamar aqui de “inimigos” ou “demônios” internos (que são partes da nossa própria sombra), crescem mais fortes e mais resistentes quanto mais lutamos com eles. Ao mantermos as emoções invisíveis, vamos causando destruição em nós mesmos na forma de doenças, medos, ansiedade, vícios, etc... Quando voltamos nossa atenção em direção a elas, liberamos seus efeitos nocivos.


Então temos uma abordagem radicalmente nova aqui. Uma abordagem de compaixão e tolerância, em vez de dominação e resistência. Imagine um mundo operado a partir desse ponto de vista! 

Essa nova abordagem, ou metodologia, que Allione chama de “alimentar seus demônios”, é uma prática muito simples que não requer nenhum conhecimento do budismo ou de qualquer prática espiritual tibetana. Não se trata de uma prática religiosa, mas de um método psicológico. Ela tem sido usada por diferentes tipos de pessoas e profissionais, tais como médicos, consultores, psicólogos, teólogos, conselheiros, etc. nos EUA e na Europa. 

Os “demônios” não são assombrações que estão a nossa espreita em lugares sombrios. Eles estão em nós mesmos, são as forças em nosso interior com as quais nos debatemos. São nossos inimigos internos que minam nossas melhores intenções. Eles podem aparecer como uma dependência, ódio contra si mesmo, perfeccionismo, raiva, ciúme, medo, inveja, orgulho, inflação do ego, ou qualquer coisa que esteja nos colocando para baixo e sugando nossa energia. Qualquer coisa que bloqueie nossa total liberdade interior é um demônio ou inimigo. 

Ao alimentar os nossos demônios internos, não estamos apenas tornando-os inofensivos, estamos educando-os, e isso tem o efeito de transformar a energia de luta em uma força positiva que nos ajuda. Essa estratégia de nutrir em vez de combater nossos inimigos internos oferece um caminho revolucionário para solucionar problemas, que nos leva à integração psicológica e à paz interior. 

Ao alimentarmos nossos demônios não estamos fortalecendo-os, mas, sim, permitindo que a energia que havia sido aprisionada dentro deles volte a ser acessível, se transformando em algo benéfico, em uma força de proteção positiva (que pode surgir no processo dos cinco passos como o aliado). Dar forma aos nossos demônios, personificando-os, também traz à tona energias incipientes ou padrões habituais nocivos, permitindo que sejam liberados em vez de deixados ali como uma força destrutiva não visível. 

Ao alimentarmos nossos demônios e transformá-los em aliados descobrimos em nós mesmos tesouros que estavam escondidos. Quando não tomamos consciência e não integramos nosso lado obscuro, ele vai operando em surdina, podendo causar mal a nós e aos outros. Ao nos tornarmos amigos daquilo que mais nos assusta, encontramos nossa própria sabedoria. 

A Prática dos Cinco Passos é uma metodologia que usa a visualização e o poder da imaginação da mente. Por meio da personificação de nossas emoções podemos dialogar com elas e criar a oportunidade de transformação interior. Aprendemos a nos tornar nosso próprio terapeuta. Quando fazemos essa prática estamos lidando com representações simbólicas de nossa mente, promovendo mudanças em nossas vidas. Carl Jung, fundador da Psicologia Analítica, usou muito em seus trabalhos a personificação das emoções por meio da imaginação ativa. 

As pessoas que tem utilizado o método relatam que questões emocionais e físicas crônicas, como ansiedade, compulsão alimentar, ataques de pânico, foram solucionadas ou significantemente beneficiadas por ele. O processo também se mostrou útil para se aprender a lidar com mudanças drásticas de curta duração, como o término de um relacionamento, o stress pela perda de um emprego, a morte de uma pessoa querida e problemas de relações interpessoais no trabalho e em casa. 

Mas como se dá o processo dos cinco passos? Resumidamente, o processo vai seguindo etapas, na qual a primeira consiste em descobrir onde a emoção que estamos trabalhando está localizada no corpo, para em seguida, personificá-la na forma de um “ser” que possa falar. Esse ser é a personificação de nosso demônio ou inimigo interno. Depois, o passo seguinte é descobrir o que ele precisa, ou seja, sua necessidade subjacente, para, em seguida, dissolver nosso corpo num néctar (que tem a qualidade do sentimento que o ser necessita), e alimenta-lo. Por meio desse trabalho descobrimos que quando nosso inimigo interno é alimentado e satisfeito, ele pode se transformar em um aliado. O aliado tem o poder de nos oferecer ajuda e apoio. É importante lembrar que tanto a forma do demônio quanto do aliado são representações internas de nossa mente. 

Vale a penas comprar o livro e aprender como fazer!

Fica a dica!!

Alimente seus Deuses e Demônios: enfrente-os, eles só precisam de sua luz – Tsultrim Allione – Editora Vida e Consciência, 2010.

Onde Comprar: Livraria Cultura